Páginas

7.4.17

Novas oportunidades

Desde cedo que a minha mãe me ensinou a afastar das coisas que me puxam para baixo, mas, sobretudo, das pessoas que me fazem sentir a mais. Ninguém é mais importante do que nós, somos nós quem importamos, sempre. Eu primeiro, depois os outros. E embora eu nem sempre leve esta "receita" de mãe à letra, sei que ela tem razão e que estar triste ou sentir-me inferior ao mundo por algo ou alguém é injusto. Eu não posso recusar-me nunca a novas oportunidades.
Afastar-me do mundo nas últimas semanas fez-me bem, aliás fez-me perceber que eu realmente importo.

16.3.17

A quem pertence o meu coração

Quando o conheci o meu mundo era de tal forma tão imperfeito e nebuloso que quando o vi aparecer depois de uma nuvem negra não queria acreditar. Seria mesmo real? Estaria ele mesmo disposto a levantar-me de uma queda tendo, também, a consciência do quão difícil seria caminhar a meu lado sem que eu tropeçasse pelo meu desequilíbrio habitual?

Hoje, o meu mundo é perfeito e existem em mim todos os sonhos do mundo. E eu gosto disto. Deste sabor doce ao sorrir para ele. Gosto quando ele me olha tímido e envergonhado, como quando nos conhecemos. Gosto quando ele me diz que sou bonita, enquanto me acaricia o rosto. Gosto quando me abraça e me faz festinhas no cabelo, impedindo, assim, que o medo de ser minúscula num coração tão grande como o dele se faça sentir. E eu gosto disto. Gosto quando ele me dá a mão, enquanto andamos pela calçada da rua; gosto quando ele se derrete a olhar para mim, mesmo quando a conversa é séria. Gosto quando ele fica à minha espera no fundo do corredor, gosto quando ele me apresenta a pessoas importantes da sua vida e me nomeia como a mais importante. Gosto quando me acorda a meio da noite só para me dizer que sou especial. Gosto quando cozinha para mim e me tenta impressionar, mesmo com o seu lado mais desajeitado. Gosto quando se preocupa com o meu silêncio e o destrói com melodias sentimentais. E eu gosto mesmo disto. Gosto mesmo da forma como ele me olha e sorri apaixonado, porque nada me olha como ele e nada me sorri mais apaixonado do que ele. 

E faz um aconchego enorme cá dentro quando me lembro dele. Sabe-me a casa. E casa é onde o meu coração está.